Após dez anos fechado, Rijksmuseum, em Amsterdã, será reinaugurado | PiniWeb

Arquitetura

Após dez anos fechado, Rijksmuseum, em Amsterdã, será reinaugurado

Com projeto de reforma assinado por Cruz y Ortiz, museu holandês reabre dia 13 de abril

Redação da revista AU
2/Abril/2013

Divulgação: Rijksmuseum/John Lewis Marshall
A reforma assinada pelo escritório de arquitetura espanhol Cruz y Ortiz modernizou o edifício do Rijksmuseum, em Amsterdã, dando novas funções ao layout do arquiteto Pierre Cuypers, que projetou o museu no século 19. O museu funciona neste edifício desde 1885, está fechado há dez anos para a reforma, e será reaberto dia 13 de abril para funcionar nos 365 dias do ano.

Com alterações mínimas à arquitetura original, os arquitetos retiraram as últimas adições para garantirem a coerência do edifício. As galerias restauraram o aspecto espaçoso e o pé-direito alto, e, em vários locais, as paredes e os tetos originalmente decorados foram revelados. Os arquitetos também criaram uma nova estrutura, o Pavilhão Asiático, cuja fachada inclinada é formada por vidro e pedras portuguesas. O mobiliário das galerias foi criado pelo arquiteto francês e designer de museus Jean-Michel Wilmotte, que também criou a paleta de cores do interior, baseada na paleta de Pierre Cuypers. Uma área de 14.500 m² de jardim histórico foi redesenhada pelos paisagistas da Copijn.

O novo pavilhão contém 365 obras da China, do Japão, da Indonésia, da Índia, do Vietnã e da Tailândia, abrangendo desde os anos 2000 a.C. até os dias atuais. Nas demais 80 galerias do museu, cerca de 8 mil obras de arte e objetos históricos mostram a história da Holanda e da Alemanha desde a Idade Média.

Divulgação: Rijksmuseum/Myra May

Divulgação: Rijksmuseum/Pedro Pegenaute

Divulgação: Rijksmuseum/Pedro Pegenaute

Divulgação: Rijksmuseum/Pedro Pegenaute

Divulgação: Rijksmuseum/Pedro Pegenaute

Divulgação: Rijksmuseum/Jannes Linders

Divulgação: Rijksmuseum/Jannes Linders