Obras de Decio Tozzi são escolhidas para o acervo permanente do Museu Nacional de Arte Moderna de Paris | PiniWeb

Arquitetura

Obras de Decio Tozzi são escolhidas para o acervo permanente do Museu Nacional de Arte Moderna de Paris

Desenhos, fotos, modelos conceituais em alumínio, textos e croquis de quatro projetos do arquiteto brasileiro devem ser exibidos em exposição prevista para este ano

Por Ana Paula Rocha
15/Junho/2009

O Museu Nacional de Arte Moderna, no Centro Georges Pompidou, em Paris, selecionou quatro obras do arquiteto brasileiro Decio Tozzi para seu acervo permanente: a Escola Técnica de Comércio de Santos, a Residência da Fazenda Veneza, a Capela da Fazenda Veneza e o Fórum Trabalhista Ruy Barbosa. Os projetos também farão parte do livro Collection, do museu.

"É uma honra muito grande ser escolhido após uma pesquisa tão intensa feita no mundo inteiro pelo Comitê dos Conservadores do museu", afirma o arquiteto Decio Tozzi. "O Brasil e a França têm laços culturais muito fortes e uma recíproca influência através da arquitetura. Então, é uma honra para mim", diz. O Comitê de Conservadores do Museu visitou as obras em São Paulo em novembro de 2008 e em fevereiro e março deste ano.

De acordo com o arquiteto, até o final de junho todos os materiais necessários que farão parte do acervo, como desenhos do projeto, fotos da obra, modelos conceituais em alumínio, textos e croquis estarão em posse do museu. A previsão de Tozzi é de que as obras já sejam exibidas na exposição programada para o final de 2009 no próprio museu.

Conheça os projetos de Tozzi que farão parte do acervo permanente do Museu Nacional de Arte Moderna de Paris:

Escola Técnica de Comércio de Santos (1963)

Divulgação

O projeto da Escola Técnica de Comércio de Santos, no litoral sul de São Paulo, possui recursos arquitetônicos que otimizam a captação de luminosidade solar típica da região, sem culminar no calor excessivo dentro das salas de aula.  Isso é possível em função dos planos de reflexão e tubos condutores de luz localizados na cobertura do edifício, que transformam a luminosidade excessiva exterior em luz difusa interior. Tais estruturas ainda melhoram a saída do ar e equilibram a temperatura ambiente. Além desses recursos, em função do lençol freático de pouca profundidade do local, o arquiteto também criou um embasamento horizontal para o edifício, que futuramente abrigou as salas de administração da escola e outros ambientes.

Residência da Fazenda Veneza (1970)

Divulgação

A sede da Fazenda Veneza, no município de Valinhos, interior de São Paulo, demandou três setores individuais: residência dos pais, das filhas casadas e dos filhos que apresentavam necessidades específicas. Para atender esses requisitos, o arquiteto projetou uma residência com cobertura única para os três ambientes e um espaço central de convívio para toda a família. No patamar inferior, implantou-se a piscina e seu pavilhão, que compreende sala de jogos, churrasqueira, vestiários e saunas. A sede ainda possui uma grande varanda para integrar visualmente toda a vegetação local, que foi totalmente preservada.

Capela da Fazenda Veneza (2003)

Divulgação

A Capela da Fazenda Veneza foi inaugurada mais de trinta anos após a construção da residência principal e recebeu diversas premiações e citações em mais de 12 países por suas formas simples e conceito complexo, como a Premiação Bienal da AsBEA (Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura), em 2004, e o segundo lugar no Prêmio Internacional de Arquitetura Sacra, em 2008. A pequena igreja possui dois elementos principais que a caracterizam: uma cobertura curva que acompanha a inclinação da margem do lago e uma cruz vermelha que remete a religiosidade. Para integrar a paisagem natural, a estrutura não possui muros.

Fórum Trabalhista Ruy Barbosa (2004)

Divulgação

Inaugurado em 2004 na cidade de São Paulo, o fórum reúne, em um único empreendimento, todas as varas da Justiça Trabalhista, divididas em quatro blocos separados e agrupados verticalmente em dois a dois. No centro do empreendimento está localizada a Praça da Justiça, com 70 m de altura e cobertura em vidro que permite a visão para os 20 pavimentos do conjunto. O local é aberto ao público e abriga restaurante, banco, centro telefônico, agência de correio, livraria e um auditório para 500 pessoas. Além disso, o empreendimento possui um sistema de rampas cruzadas que fazem a ligação horizontal entre andares dos quatro edifícios, além de 20 elevadores.

Leia também:
Centre Pompidou, em Paris, recebe desenhos de obras brasileiras

Arquiteto Decio Tozzi fica em segundo lugar no Prêmio Internacional de Arquitetura Sacra

Fórum trabalhista Ruy Barbosa