Projeto do Estúdio 41, de Curitiba, vence concurso para reconstrução de estação científica do Brasil na Antártica | PiniWeb

Arquitetura

Projeto do Estúdio 41, de Curitiba, vence concurso para reconstrução de estação científica do Brasil na Antártica

Grupo coordenado por Fábio Henrique Faria propôs a criação de blocos para a distribuição dos usos da edificação

Rodrigo Louzas
16/Abril/2013

O Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) e a Marinha do Brasil anunciaram o resultado do Concurso Estação Antártica Comandante Ferraz, que seleciona o melhor projeto de arquitetura para as novas instalações da base brasileira. Em primeiro lugar, ficou o projeto dos profissionais do Estúdio 41, de Curitiba, coordenado pelo arquiteto Fábio Henrique Faria e tendo como coautores Emerson Jose Vidigal, Eron Costin e João Gabriel de Moura Rosa Cordeiro. Os vencedores ganham, além do projeto contratado, um prêmio de R$ 100 mil.

Divulgação: IAB-RJ

A cerimônia foi realizada na última segunda-feira (15) na sede do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), no Rio de Janeiro. O concurso foi lançado em 22 de janeiro deste ano. Foram 109 equipes inscritas, coordenadas por arquitetos, com 74 trabalhos entregues.

Com o investimento de R$ 72 milhões, o projeto conta com uma área de 3,2 mil m². A estação, que será construída no mesmo local que a anterior, conta com infraestrutura complexa.  O projeto abriga dezenove laboratórios, sistemas de água potável, energia de coleta e separação de resíduos sólidos, rede avançada de comunicações de dados e de voz, segurança, logística, instalações mecânicas e fontes de energias renováveis. Além disso, estão projetados espaços destinados a biblioteca, academia de ginástica, "Lan House" e Centro de Emergência.

Na proposta do Estúdio 41, a implantação dos edifícios considera a topografia da Península Keller e as necessidades de preservação das áreas de vida animal e vegetal do entorno, entre outros fatores. Os setores funcionais estão organizados em blocos que distribuem os usos. O bloco superior, no nível +9,10, abriga os camarotes, áreas de serviço e o jantar/estar. Ao bloco inferior, no nível +5,95, foram incorporados os laboratórios e as áreas de operação e manutenção. Este mesmo bloco abriga as garagens e o paiol central, localizados no nível +2,50.

Um bloco transversal, também no nível +5,95, reúne os usos social e de convívio. Neste trecho estão posicionados a sala de vídeo/auditório, a lan house, a sala de reuniões/videoconferência, a biblioteca, e o estar. "Um abrigo, um lugar seguro. A nova casa do Brasil na Antártica. Um lugar de proteção e reunião das pessoas para a produção do conhecimento científico", descrevem os arquitetos no memorial do projeto.

A estação abrigará uma população formada por militares da Marinha e pesquisadores. Os civis, de maneira geral, permanecem em pesquisas por períodos de 30 dias, durante o verão antártico, que vai de novembro a março. Já os militares ficam na estação durante um ano para apoiar o desenvolvimento das atividades de pesquisa, prover a manutenção das instalações e manter, permanentemente, a presença brasileira no continente. Eventualmente, a estação também recebe visitantes brasileiros e estrangeiros.

Foram agraciados com prêmios, ainda, o segundo e o terceiro colocados. Em segundo lugar, ficou o trabalho coordenado pelo arquiteto Luiz Adriano Trindade de Almeida, de São Paulo, que representa a Tryptique Arquitetura, ao lado dos coautores Grégory Bousquet, Anna Carolina Bueno Cardoso, Olivier Rafaelli e Guillaume Sibaud. E em terceiro lugar o projeto liderado por Igor Soares Campos, de Brasília, que teve como coautores Hermes Romão Campos Júnior, Gustavo Abrahão Costa, Larissa Olivier Sudbrack, Danilo Gomes e Fontes e Matheus Ribeiro Assunção Vieira Mendes, do Estúdio MRGB.

Além disso, Vera Hazam (Rio de Janeiro), José Ricardo de Melo (Recife), Biselli Katchborian + Nave de Arquitetos e Analia Maria Marinho de Carvalho Amorim (São Paulo) receberam Menções Honrosas no evento.

A previsão é que o processo licitatório para a execução do projeto termine no fim deste ano. O lançamento da pedra fundamental da estação está estimado para o próximo verão antártico. A Marinha trabalha para iniciar a operação da nova estação até março de 2015.

Divulgação: IAB-RJ

Divulgação: IAB-RJ

Veja na próxima página as fotos dos outros projetos premiados.

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>
Revistas Pini
Destaques da Loja Pini
Aplicativos