Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia atualiza o índice Sinapi | PiniWeb

Custos

Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia atualiza o índice Sinapi

Cinco mil composições de custos unitários para saneamento, habitação, estruturas e instalações serão revisados

Kelly Carvalho
14/Fevereiro/2013

A Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE) está realizando um trabalho de pesquisa em nove cidades brasileiras para revisar o Sinapi - Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil, da Caixa Econômica Federal (CEF). O trabalho tem o apoio do Departamento de Construção Civil da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) e é coordenado pelo professor Ubiraci Espinelli Lemes de Souza.

O Sinapi é um banco de composição orçamentária que serve como referência para os custos de obras de todos os financiamentos de construção da CEF e das licitações de obras e serviços de engenharia do Governo Federal. O sistema também baliza a atuação dos órgãos de controle das despesas governamentais. Dada a importância do índice, sua atualização deve ser positiva para o setor, uma vez que diversos segmentos da construção solicitavam oficialmente a atualização da composição de custos do Sinapi.

Em vários estudos já realizados pelo departamento de engenharia da PINI, abrangendo casos diversos ao longo dos últimos anos, constatou-se que inadequações nas composições de custos do Sinapi conduzem a resultados de custos subestimados, causando problemas de várias naturezas nos contratos de obras públicas. Para o engenheiro Bernardo Corrêa Neto, diretor de engenharia da PINI, a revisão do conteúdo do sistema Sinapi será uma oportunidade para correção dessas inadequações. Segundo ele, as metodologias de composição mudaram e é necessário verificar se os coeficientes refletem a realidade.  "Achamos importante que o índice deixe claro o que as composições contêm, ou seja, quais as premissas técnicas de cada serviço", comenta. "Ficamos na dúvida, por exemplo, sobre quais recursos fazem parte das composições, visto que, em muitas delas, os insumos não são compatíveis com a descrição do serviço", completa. 

O objetivo do trabalho é realizar nova aferição de composições de custos de serviços da construção civil para aprimorar, atualizar e ampliar as informações disponíveis. "Hoje o sistema se mostra inviável para São Paulo, por exemplo, ao não remunerar adequadamente, mas pode ser bom demais para estados da região Nordeste. O ideal é que ele possa atender a todas as regiões de maneira satisfatória" admite André Steagall Gertsenchtein, diretor superintendente da FDTE.

A Fundação está efetuando o trabalho de campo em várias obras do País. A equipe coordenada pelo professor da Poli-USP dividiu as cidades em três grupos regionais: Norte e Nordeste; Centro e Sul e Sudeste. No primeiro grupo, o trabalho está sendo realizado em Macapá, Teresina e Salvador. Na região central, a pesquisa abrange Brasília, Goiânia e Cuiabá. No grupo Sul e Sudeste, as obras pesquisadas estão localizadas em São Paulo, São Carlos (SP) e Florianópolis. Cerca de cinco mil composições de custos unitários para habitação, fundações, estruturas, instalações, redes de distribuição de energia, saneamento e infraestrutura devem ser revisados num período de três a cinco anos. 

Leia também:
Caixa lança licitação para revisão e atualização das composições do Sinapi
PINI não participa da revisão do Sinapi

Veja também

Infraestrutura Urbana :: 10/10/14

Nova ferramenta da PINI estima custo de obras

aU - Arquitetura e Urbanismo :: Artigo :: ed 247 - Outubro de 2014

Vale a pena aderir ao Supersimples?