Construção de novo parque eólico começa em maio no Rio Grande do Sul | PiniWeb

Infraestrutura

Construção de novo parque eólico começa em maio no Rio Grande do Sul

Índio 2 contará com 12 geradores que devem operar a partir de 2013

Marina Pita, da Revista Infraestrutura Urbana
9/Fevereiro/2012

Divulgação
O Ministério de Minas e Energia autorizou o estabelecimento da empresa Ventos dos Índios Energia S A como produtor independente de energia eólica por 35 anos, conforme publicado no Diário Oficial nesta quinta-feira. A empresa deverá implantar e explorar o Parque Eólico dos Índios 2 no município de Osório (RS). O início da construção está previsto para 1º de maio de 2012, e a conclusão da instalação com todo o parque em operação comercial, para julho de 2013.

O projeto contará com 14 unidades geradoras de energia eólica, de 2.000 kW, totalizando 28.000 kW de capacidade instalada e 11.500 kW médios de garantia física de energia cada uma.

O projeto também prevê a construção de um sistema de transmissão - constituído de uma subestação elevadora de 34,5/69 kV, junto à Usina - e de uma linha de transmissão em 69 kV, com aproximadamente 15 km de extensão, em Circuito Simples, interligando a subestação elevadora ao barramento de 69 kV da subestação Osório 2.

A energia elétrica produzida pela autorizada destina-se à comercialização na modalidade de produção independente de energia elétrica, conforme estabelecido nos arts. 12, 15 e 16 da Lei no 9.074, de 7 de julho de 1995. De acordo com este modelo, a produtora pode vender a energia tanto para concessionárias quanto para grandes consumidores no mercado livre. Mas, para isso, a Ventos dos Índios Energia deverá submeter-se aos procedimentos de rede do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e aderir à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

O novo parque eólico é fruto do leilão de Energia de Reserva realizado em agosto de 2011 e a empresa deverá também firmar contrato de energia de reserva. À época do leilão, a Agência Nacional de Energia Elétrica contratou 78 projetos de energia eólica, equivalente a potência instalada de 1.928,8 MW e garantia física de 913 MW médios. O valor médio do MWh obtido em tal leilão ficou abaixo de R$ 100, o menor valor obtido até então conforme comunicado da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).