Sky Train, obra da Odebrecht para o Aeroporto Internacional de Miami, já está operando | PiniWeb

Infraestrutura

Sky Train, obra da Odebrecht para o Aeroporto Internacional de Miami, já está operando

Construção faz parte de um contrato de 1,1 bilhão de dólares para a ampliação do terminal norte

Mauricio Lima
7/Outubro/2010

Divulgação: Miami-Dade Aviation Department
Sky Train tem 1,6 km de extensão
Já está em funcionamento o Sky Train do Aeroporto Internacional de Miami, nos Estados Unidos, última obra do projeto de ampliação do terminal norte do aeroporto, que custou ao todo cerca de US$ 1,1 bilhão.

Construído pela Odebrecht, possui quatro estações e se conecta a 52 portões do terminal. Segundo a Odebrecht, o Sky Train faz parte de um contrato com uma joint venture formada pela Parsons e pela Odebrecht (Parsons Odebrecht JV) para as obras de expansão do terminal. O Aeroporto Internacional de Miami recebe 30 milhões de pessoas por ano, o terceiro maior aeroporto dos Estados Unidos a receber passageiros estrangeiros e está entre os dez maiores do mundo em transporte de carga.

O Sky Train, que terá tecnologia e sistema fornecidos pela Mitsubishi Heavy Industries e operados pela Sumitomo Corporation of America, tem capacidade para transportar até nove mil pessoas por hora e deve reduzir o tempo de caminhada em até 70% para passageiros com conexões nacionais e 34% para os viajantes internacionais. O trajeto do Sky Train tem aproximadamente 1,6 km de extensão, sendo que cada estação fica a 400 m de distância uma da outra.

Divulgação: Miami-Dade Aviation Department
Projeto de uma das estações do Sky Train

Segundo Lucas Prado, diretor da Odebrecht, a obra durou entre três e quatro anos, a partir do momento em que o cliente resolveu prosseguir com as obras menores que estavam sendo realizadas desde 2005 no Terminal Sul do aeroporto, também pela Parsons Odebrecht JV.

As estações do Sky Train contam com estrutura metálica e se localizam, juntamente com as linhas, no topo do prédio, daí o nome "Sky Train". As fundações e estrutura do prédio do terminal foram dimensionadas para receber a sobrecarga e carga dinâmica dos trens exigindo o reforço estrutural de algumas de suas partes.

Prado destaca que "um dos maiores desafios da obra foi trabalhar num terminal em plena operação, que movimenta 70% dos passageiros do Aeroporto Internacional de Miami, e atender a um cronograma de obras extremamente desafiador sem interromper as operações." Além disso, 50% das obras se localizam em cima do terminal existente, com áreas de 50 anos de idade, o que dificultou a execução do projeto desenvolvido por arquitetos do Condado de Miami.

Divulgação: Miami-Dade Aviation Department
Obras da linha do Sky Train

Divulgação: Miami-Dade Aviation Department
Obras da linha do Sky Train

Divulgação: Miami-Dade Aviation Department
Obras da linha do Sky Train

O projeto já foi reconhecido em um artigo pela Engineering News Record e premiado pela Southeast Construction Magazine como "Best Vertical Transportation Project 2010".

Ampliação

Finalizada no final de agosto de 2010, a ampliação compreende novas instalações para o departamento de Serviços de Imigração e Cidadania dos EUA, 123 balcões, 119 quiosques de autoatendimento, 72 postos de serviços de inspeção federal, um novo sistema de bagagem capaz de lidar com 45 mil malas por dia, 3,2 km de escaladas rolantes e tapetes rolantes e uma ampla área destinada a serviços para o usuário. No total, foram geradas aproximadamente três mil contratações durante o período.

Divulgação: Miami-Dade Aviation Department
Terminal norte do aeroporto de Miami

Segundo Prado, a expansão do terminal norte foi a maior obra de terminal de aeroporto nos Estados Unidos nos últimos anos. A estratégia pelo consórcio foi a de planejar e executar a obra em várias fases, sempre tendo como objetivo abrir novas áreas e portões para o uso do aeroporto o mais cedo possível.

O terminal em si tem uma estrutura de concreto com a frente do prédio toda em vidro resistente a furacões. O interior do edifício conta com piso de terrazzo, aço inoxidável nas paredes e colunas, tetos com painéis acústicos e painéis metálicos, granito nas paredes, painéis em drywall, acabamento de estuco projetado para textura e azulejos cerâmicos nos banheiros.

Divulgação: Miami-Dade Aviation Department
Área de embarque do Aeroporto de Miami

Veja também

Construção Mercado :: Painel de Mercado :: ed 192 - Julho de 2017

Construtoras menores ocupam vácuo deixado pelas gigantes

Construção Mercado :: Em off :: ed 192 - Julho de 2017

Bastidores da construção