ABNT publica norma de Guarda-corpos | PiniWeb

Notícias

ABNT publica norma de Guarda-corpos

4/Setembro/2001

Desde o último dia 31 de agosto, os projetos de arquitetura que incluírem varandas com guarda-corpos deverão obedecer à norma técnica sobre esse importante elemento de segurança nas edificações. A NBR 14718, que acaba de ser publicada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), estabelece requisitos que deverão ser considerados pelo autor do projeto arquitetônico.

Sua função é conferir segurança ao usuário, principalmente às crianças, e se restringe às edificações residenciais e comerciais, não se aplicando à passarelas sobre ruas, avenidas, ginásios de esportes e locais de grande aglomeração pública. A NBR 14718 não diz ao fabricante como construir um guarda-corpo, mas estabelece os requisitos para materiais, projeto e desempenho de guarda-corpos, independentemente dos materiais empregados na sua fabricação.

As engenheiras Vera Fernandes Hachichi, coordenadora do grupo de trabalho de Caixilhos da ABNT, e gerente técnica da Tesis Engenharia, e Lucia Alves e Silva, presidente do grupo de trabalho da AFEAL (Associação Nacional dos Fabricantes de Esquadrias de Alumínio) que elaborou o anteprojeto da norma e gerente da qualidade do Laboratório Falcão Bauer, explicam, resumidamente, o conteúdo e objetivo da norma.

A idéia de desenvolver esse método nasceu da ausência de uma norma que regulamentasse o assunto e dos problemas de segurança de estruturas existentes. Baseado em metodologias francesa, italiana e japonesa, o texto adota os critérios de segurança dessas normas e define parâmetros para que os guarda-corpos sejam projetados e construídos com materiais que confiram um mínimo de segurança ao usuário.

Condições de segurança estrutural
A norma técnica define as condições de segurança estrutural às quais o guarda-corpo deve atender como, por exemplo: esforço estático horizontal; esforço estático vertical e resistência ao impacto de corpo semi-rígido. Tais condições devem ser suportadas pela estrutura do guarda-corpo, qualquer que seja seu tipo - gradil ou com vidro -, e quaisquer que sejam os materiais que o constituem : metal, polímero, concreto, etc.

Quanto às características de desenho do guarda-corpo, a norma considera as limitações que podem comprometer a segurança dos usuários, como distância máxima de 11 cm entre perfis para guarda-corpos do tipo gradil - condição que impede a queda de animais ou crianças pelo vão. A altura mínima de 1,10 m, entre o piso acabado e a parte superior do peitoril, evita a escalada por crianças. Componentes horizontais (travessas) que possam ser usados como degrau não serão aceitos. O arquiteto terá que projetar o guarda-corpo de tal forma que internamente, um perfil horizontal, uma barra, um enfeite, jamais possa servir de degrau.

A norma técnica obriga que o parapeito tenha uma seção transversal arredondada, independentemente de sua espessura, de forma a evitar que uma pessoa possa nele se sentar ou colocar objetos em sua superfície, como cinzeiro, copos ou vasos. Uma rajada de vento pode derrubar esses objetos causando ferimentos ou, até mesmo, a morte de transeuntes.

Para garantir proteção adequada ao alumínio, o tratamento por anodização dos perfis terá que ser de, no mínimo, classe A18, o equivalente a camada de 16 a 20 micrometros. No caso das regiões marítimas ou industriais, de alta agressividade, a norma vai exigir a classe A23. No caso de perfis de aço ou de componentes metálicos ferrosos, deve haver proteção por camada de zinco com espessura mínima de 69 micrometros, conforme NBR 6323.

No caso de guarda-corpo constituído por vidro, esse último deverá obedecer à NBR 7199, quanto às dimensões e características.


Norma técnica
Projetos de arquitetura que incluírem varandas com guarda-corpos deverão obedecer à NBR 14718, que acaba de ser publicada pela ABNT. Sua função é conferir segurança ao usuário, principalmente às crianças, e se restringe às edificações residenciais e comerciais. Baseado em metodologias francesa, italiana e japonesa, o texto da norma técnica define as condições de segurança estrutural às quais o guarda-corpo deve atender como, por exemplo: esforço estático horizontal; esforço estático vertical e resistência ao impacto de corpo semi-rígido.
Projetos de arquitetura que incluírem varandas com guarda-corpos deverão obedecer à NBR 14718.
Projetos de arquitetura que incluírem varandas com guarda-corpos deverão obedecer à NBR 14718.
Segurança

Veja também

aU - Arquitetura e Urbanismo :: Tecnologia :: ed 247 - Outubro de 2014

Arquitetura hospitalar: projetos e detalhes

Téchne :: IPT Responde :: ed 211 - Outubro de 2014

Qual a técnica mais indicada para a cura de placas pré-moldadas?