Costumo utilizar como traço de argamassa para emboço 1:8:2 (cimento: areia: saibro) em volume. Em uma obra tive problemas com trincas, pois o ambiente externo era quente (cozinha) e o interno gelado (escritório). As trincas e fissuras reaparecem até... | PiniWeb

Notícias

Costumo utilizar como traço de argamassa para emboço 1:8:2 (cimento: areia: saibro) em volume. Em uma obra tive problemas com trincas, pois o ambiente externo era quente (cozinha) e o interno gelado (escritório). As trincas e fissuras reaparecem até...

12/Dezembro/2000
Costumo utilizar como traço de argamassa para emboço 1:8:2 (cimento: areia: saibro) em volume. Em uma obra tive problemas com trincas, pois o ambiente externo era quente (cozinha) e o interno gelado (escritório). As trincas e fissuras reaparecem até hoje. Pensei em usar um revestimento com massa PVA e tela de poliéster a fim de evitar que as fissuras reapareçam. A solução é viável? O traço utilizado está correto? O saibro é material confiável? Qual a solução para o problema?
Pergunta elaborada por Luiz Alberto Rangel Gonçalves(Rio de Janeiro-RJ); Resposta de referência por Ercio Thomaz( IPT-Divisão de Engenharia Civil); Palavras-chave: argamassa, revestimento, arenoso, caulim, saibro, traços, resina acrílica, recuperação; Abordagem(ns): Argamassas, Fissuras

a) O traço empregado (1:10) é muito pobre em aglomerante, parecendo-nos que não deveria superar 1:5 ou 1:6. O saibro confere grande plasticidade à argamassa no estado fresco, mas tem pouco poder aglomerante; além disso, apresenta movimentações higroscópicas muito acentuadas, o que provavelmente conduziu à formação de fissuras;

b) Supondo fissuras com aberturas relativamente reduzidas, aleatoriamente distribuídas ("mapeadas"), a recuperação proposta com tela de poliéster é adequada. Sugerimos, entretanto, o emprego da massa acrílica e duas ou três demãos de tinta acrílica, garantindo maior poder de movimentação ao sistema de recuperação.