Impermeabilização do Maracanã foi feita com poliureia | PiniWeb

Tecnologia & Materiais

Impermeabilização do Maracanã foi feita com poliureia

Prazo curto para finalização da obra foi um dos critérios usados para escolher o impermeabilizante considerado de rápida secagem

Juliana Martins, da revista Téchne
24/Abril/2013
Divulgação

A finalização do estádio do Maracanã dentro do prazo vem exigindo soluções rápidas. São 100 mil m² de área que devem ficar prontos até o final de abril, quando está prevista a entrega do estádio.

Para obedecer ao prazo, a impermeabilização foi feita com o revestimento em poliureia. Ao todo, foi necessária uma equipe de 60 funcionários e três máquinas aplicadoras para a execução dessa etapa. Cada uma dessas máquinas consegue cobrir mil m² por dia. O trabalho foi iniciado há dois meses e os anéis superior e inferior do estádio já estão finalizados, restando somente arremates finais.

O uso da poliureia se deu por ser um material leve, de alto rendimento e rápida secagem (50 segundos). O produto não necessita de proteção mecânica sobre o material (ou seja, recobrir a impermeabilização com argamassa ou concreto), o que aliviou a estrutura do suporte de milhares de toneladas.

Sua aplicação é feita por um trailer, ou unidade de controle de aplicação, composto por compressores, secadores de ar, unidades de projeção bicomponente hot-spray e mangueiras aquecidas com 94 metros de comprimento. O maquinário usado permite o controle da umidade relativa do ar, da umidade do substrato, da viscosidade do produto e da espessura do revestimento aplicado. Outro equipamento empregado utiliza 70.000 Voltz para a detecção de possíveis falhas no revestimento. Todos os dados de aplicação das máquinas são coletados em um Datalog e repassados para análise técnica em tempo real.

Divulgação
Revistas Pini
Destaques da Loja Pini
Aplicativos